quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Estou perdida no meu próprio mapa astral
seguro ele firme com as mãos um pouco trêmulas
a imagem não é das melhores
Cansei de dizer o quanto não me sinto
exausta e ansiosa por nada
parei com essa história
de me escrever escritora
Rabisquei esboços sobre a página já escrita
não vou dizer como me sinto quando
me disponho 
decidi nunca mais me vestir
Eu poderia não acordar mais
e respirar profundo
Vou quebrar meu telefone
para não ter que abrir a porta
Lambo os dedos após enfiá-los
na garganta
com olhar de felina caindo
no choro. 
te esqueço novamente

Pierre Tenório

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Não prometerei nada
faço sexo como um qualquer
um faz. Jogarei suas palavras
ao seu favor e ficarei
contra você. Questão de tempo.
Em menos de dois dias
dois da poli  cia
passaram a mão em mim
e me convidaram para fumar
um baseado. Eu disse: - não
ando com almas sebosas, meu bem.
Eles não me bateram
apenas disseram que
sou uma bicha hipócrita
mas, na verdade queriam dizer
que sou um retardado

eu, entendi o que
não deveria entender
minha mãe já não liga
para os meus inimigos

tudo é uma questão
de desatenção

agora eu finjo que não
te vejo.

Pierre Tenório

sábado, 5 de agosto de 2017

o mundo fala poemas

o tempo todo
o dia inteiro

digitam poemas
cheios de acertos

ortograficamente
poéticos

calado, é o poema
mais belo
não lido

poetas distraídos
ocupados
o dia inteiro
em ganhar dinheiro

não existe erro

até quem não sabe

falo como um cego escuta
desenho flores enquanto durmo

é a natureza

Pierre Tenório

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

CARTA DE DEMISSÃO

desempregada, foi despejada
e o namorado deu-lhe um beijo
de despedida.

Pierre Tenório

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

DAMA DE HONRA

rasguei
    o convite
                  e
        cheguei
               na pior
                     hora
                          da festa

vesti minha melhor
fantasia de mendigo

não sou ladra, mas
decidi roubar
todos os presentes

eu não acredito
nessa histórinha
de amor, no entanto

amadoramente
cantei tua trilha

e fiz questão
de desafinar

você sempre teve
um péssimo gosto,
mesmo.

nem senti fome
o primeiro pedaço
do bolo custou
muito menos que
pude vomitar

coloquei o resto
dentro da bolsinha.

assinei o papel de outra
beijei o noivo na boca

roubei a senha do Wi-Fi 
para fazer checkout
acabei com a festa

da minha amiga
que apanhava
todos los dias

a culpa foi do uísque;

lancei o buquê de talos
e as alianças no ralo.

fui embora jogando as pétalas
pelo caminho

- você me agradeceu por tudo.

Pierre Tenório

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Sou presa fácil
nos teus lençóis
fico segura
mesmo distante

das tuas mãos

Ainda trago
em minha boca
o ar que polui 
os teus pulmões

e me faz louca

Estou vestida 
com a nudez
do teu semblante
quando decifras

meus pensamentos

Todos errantes
e teu sorriso 
me faz sonhar
de olhos abertos

quando acordo
livre em teus braços;

Olho pro céu nublado
e o vejo azul.

quase sempre sozinha

Pierre Tenório

domingo, 30 de julho de 2017

Alguém me disse
que odeia poesia
na hora exata
fiquei de pau duro
tentei disfarçar
os poemas que vinham
na minha cabeça;

deu vontade de cuspir
na cara dele.

Pierre Tenório

quarta-feira, 19 de julho de 2017

I.

tudo no meu tempo é meu
eu e aquilo que invento

um pouco entediada, mas,
feliz com o clima
logo recomeçam as atividades
aulas, aulas, trabalho novo
busca por mais trabalhos
já que o salário é pouco
músicas novas
poemas novos
novos encontros
ocupações

quero ocupar corações
ocupar o meu coração
e meu sono
ocupar as horas que fico com fome
ocupar as mentes em cima da hora
acampar na varanda do apartamento
no fim de semana com o namorado
deixá-lo respirar um pouco ao meu lado
e sair sozinho

II.

escrevo o que gostaria de ler

estou morta
como
durmo, fumo maconha, espero acordar,
parei com cigarros, escrevo, apago
e olho para a tela do telefone
esperando uma mensagem no whatsapp
uma mensagem que nunca chega.
e não é "parabéns você foi sorteado"

logo tudo começa
a ficar cansativo de novo

eu vendo tudo
sem um real no bolso
volto pra casa na chuva
vagando  a pé pela rua
somente o frio agasalha
e ninguém quer me pagar
pelo que faço melhor
jogam na minha cara
jatos de água gelada

a mensagem foi entregue,
não visualizada.

III.

desempregada, fui despejada
e o namorado deu-me um beijo
de despedida.

Pierre Tenório

terça-feira, 18 de julho de 2017

unha por unha
vagarosamente
roeu todo esmalte
de cada dedo
que apontava
para a porta
da minha face

quase decidi voar
do 16° andar
vagar pelo fundo
do rio, como um peixe
vivo dormindo
acordado

não deu tempo
as flores murcharem
nas minhas mãos

quase desmaiei
por medo de falar:
não sentirei saudades.

Pierre Tenório

sexta-feira, 7 de julho de 2017

queimando as páginas

decidi não acordar mais
só pra ficar sonhando com quem já fui
desapareci dos becos, da sala de aula e do carnaval
tentei fugir da tua boca, fumar o teu cigarro
tuas bocas parecem deus perto
pulei a fogueira apagada
e as brasas encontraram meus sonhos acesos
os sonhos de mim
quem sou não importa, meu bem
nem tampouco o que me torno
e tudo em torno
encontro a melhor rua para tua fuga
te convido para um chá
me deixa em paz já que te amo e grito para mim
te amo ano após amo
é uma pena que você vaga a mesma merda
os anjos mijam sobre nossas cabeças
já tive medo passando pelos meus rascunhos
e o vento trouxe de volta o animal
"quando todos vão embora eu me tranco aqui e tudo bem"
para você escrevo
que sempre estive onde
você não procura e
não me empresto pra você.

Pierre Tenório

quarta-feira, 5 de julho de 2017

queria mudar a cabeça dos homens
não pedir para eles pensarem tanto
só queria que ficassem sozinhos
e tirassem a gravata que enforca
seus pescoços
queria arrancar a cabeça
dos homens
colocar um corpo de mulher
assim eu poderia tirar-lhes a barba
fio por fio
como uma máquina de desfazer medos
queria colorir a boca dos homens
e me apaixonar como um animal
selvagem
esquecê-lo para sempre sempre
mudar de calçada toda vez
que avistasse um homem
para vê-lo passar divagando
como nunca vi devagar
eu queria ser um cachorro
com o rabo entre as pernas

tp

terça-feira, 4 de julho de 2017

venho tentando
trepar em você
esse foi o último
atentado que me
lancei arriscar

tirar um espinho
de alguma flor
que estava enganchada
pelos teus cabelos

ao querer entrar
dentro das raízes
dessas tuas terras

férteis cicatrizes
lágrimas desertas
comer tuas pétalas

Pierre Tenório

terça-feira, 27 de junho de 2017

Não tente beijar um poema

da última vez que tentei
beijar um poema
ele pediu para
que eu me afastasse

de mim

sem precisar me tocar

disse que para beijá-lo
eu deveria saber
o quanto pesa uma alma
diante do universo.

Pensei que seria impossível
beijar o poema um dia
tocar os meus lábios no corpo
do poema, que ria

mesmo que não tenha corpo
nem rima, mesmo que não tenha alma
não tenha

Eu disse para o poema
que estava a escrever
no momento do desejo
pelo beijo

este mesmo que estais lendo

- sou apenas quem não sou
e estou com tua alma
só não sei como ela cabe
no bolso da minha calça

o poema desmaiou
no fundo do meu abraço
não havia mais sorriso
nem cor alguma em seus lábios

Nunca tente beijar um poema

seja apenas quem você não é
e a poesia te come
como quem não quer

o poema não te beija
também não faz questão nenhuma de você.

Isso não é um conselho
é apenas um falso testemunho

Pierre Tenório

terça-feira, 13 de junho de 2017

peço desculpas por não ser
um poeta como você come

sou pecador acíduo

odeio quando a fumaça passa
despercebida

amo os meus ódios
cheios de olhos

fechados

abro as cortinas da razão
e a paisagem não é bonita

mentiras são nãos
de óculos quebrados

e bocas amordaçadas

as fachadas dos lugares
nos condenam a mesmice

das verdades esfarrapadas;

mergulho meu corpo cego e
a terra entre os meus dedos

colorem o universo
de um rio que vive sozinho.

distante cavo profundo
pra ver se encontro teu mundo.

onde finalmente eu possa me perder em paz

Pierre Tenório

terça-feira, 6 de junho de 2017

Mesmo antes de dormir
eu já sabia
que não acordaria

com saudades de nada

fui esquecendo
letra por letra do que não escrevi

fui deixando a contagem
das moedas
por minha conta

fui e não precisei voltar

visitei outros capítulos
sem decorar o que estava escrito
sobre o vento.

Comprei um  e vinte e cinco
de pães franceses,

tá muito caro o pau Brasil
tá muito raro o pão

quase irreal.

Sonhei que os índios
queimavam os ternos

e a ternura reinou dentro do sono
tranquila
em vigília;

mataram o presidente
mataram quem representava o presidente
mataram quem representava o representante do presidente.

Acordei com saudades
e não tenho tempo para matar
minha fome.

Pierre Tenório

sábado, 27 de maio de 2017

Não quero resolver nada
não sei por onde termino
nem sei a primeira palavra

tenho inventado maus hábitos
também corrido perigo
me sinto presa neste país

presa fácil
sem crime

Perdi a noção do belo
perdi a tranquilidade do poema

parece que tudo
precisa de ordem
que nada é capaz
de lavar as almas

Não queria que a primeira
palavra deste poema
fosse tudo que tenho
em segredo.

E mesmo que fosse possível
eu afastar-me de mim
permaneceria do vão da dúvida
pensando no sim.

Pierre Tenório

domingo, 30 de abril de 2017

A VIDA É MUITO PIOR
à Belchior

Acabou o mistério que começa.
agora hoje é que não sabemos
onde estará o infinito findo.

e ninguém vai o prender
e ninguém mais vai perseguir
a fúria ou pressa de viver

e ninguém mais vai cobrar
uma nota de papel
como respondente
a uma nota musical

e todo mundo vai cantar
e beber goles selvagens
de corações fugitivos

e todo mundo vai fazer
uma pequena turnê
esquecendo as próprias letras
fantasmagoricamente

lembrando qualquer você
alucinando o cinema

nas frases de inúteis
problemas.

Vendo esse poema por um real
de olhos abertos

Pierre Tenório


segunda-feira, 17 de abril de 2017

tudo terminou bem.
já que não existe forma
de amor o amor

não sobrou palavras
e o vento que ordenara
um dia versos

simples de amor
parou de soprar
como divinamente

um dia salvou-me
do pó a que vim.

Pierre Tenório
apraz o cheiro dos repelentes
que assim digam os mosquiteiros
as asas batem com as pálpebras
sobrevoando montes e torrentes
em frente uma tela desligada
cartões telefônicos figuram-se
postais em branco, posts and post its
o profundo sopro da ventania
contorna o semi silêncio
dos que com olhos abertos
fingiam que assim dormiam
ouvidos viciosos auscultam
corpos como ideogramas
a mente cria duas mil
possibilidades antes

o ideal é ser proibido para maiores.

Pierre Tenório




quinta-feira, 13 de abril de 2017

regras para semana santa

1. deseje o namorado(a) da sua amiga e faça sutilmente com que ele(a) perceba.
2. coma muita carne crua com legumes
3. roube os ovos da páscoa de alguma criança
4. lave as mãos no vaso sanitário
5. faça sexo oral em um padre
6. leia a bíblia de trás para frente
7. beba vinho até vomitar
8. assista a paixão de cristo em nova jerusalém ou na rede record
9. ame ao próximo como o anterior
10. apedreje um judas de pano (cuidado pra não confundir com um homossexual)
11. tome um banho de água benta
12. não banque o santinho(a)
13. não seja hipócrita
14. não responda sua mãe
15. faça de conta que deus não está vendo
16. leve um bêbado pra casa
17. decifre as metáforas da bíblia e não seja um alienado
18. siga os mandamentos o ano inteiro (a vida inteira de preferência)
19. reflita sobre você e suas posturas diante do mundo
20. duble alguma cantora evangélica
21. expulse seus demônios
22. acredite que vai pro céu
23. acorda pra jesus
24. procure o que fazer
25. cuide da sua vida
26. quando a semana acabar volte a pecar em paz

Pierre Tenório
Gotas Serenas

Hoje estendi todas as roupas
no varal
todas as roupas sujas
no varal
deixei que a chuva lavasse
sozinha Sentada sozinha
fiquei paquerando as roupas
no varal
enquanto as gotas de chuva
banhavam as roupas sujas.
Os pingos de chuva
caíam sobre mim
como quem numa conquista
suja a melhor roupa.

Tudo escorria da vista;
como o encontro do rio
com o mar.

Pierre Tenório

quarta-feira, 12 de abril de 2017

as vezes as pessoas morrem
enquanto outras não nos deixam dormir

coisas gemem de prazer
e outras dores fazem de conta; cair

tudo dói

me sinto a última pedra
perdida no precipício
de algum universo
perdido

único escombro

uma ocasião.

peço a deus que me roubem tudo
o que seria dito
por enquanto meu.

obrigo a deusa que nunca realize
nenhum dos meus sonhos

por favor.

não simplifique meus contos

deus idiota

real

Pierre Tenório

sábado, 1 de abril de 2017

Garupa

nenhum poema pode ser silenciado
na claridade das retinas;
minhas pernas estão cansadas dos pelos

somos quatro cabeleiras
para três motocicletas
e toda a paisagem é pouca
para dois olhos em cada rosto
enquanto transito em mim mesmo
as árvores são fatiadas
como um bolo, ou presunto e queijo
dentro de um pão
cada pedaço se torna estátua
diante do meu barulho

já era claro, mesmo quando
a lua penumbrava os juízos
finais
estava tudo claro no canto
dos pássaros engaiolados
eu mesmo, um perseguidor
de fogueiras apagadas
entre os galhos
não sou o mesmo e mesmo assim
já esqueci que estou pronta

não me dirija os pedais
só me fotografe, mesmo
que nunca se revele

Pierre Tenório

domingo, 26 de março de 2017

atrás da porta o amor queima no lixeiro de alumínio e eu não sinto tuas mãos tocando minha maçaneta pois sou o pior em tudo que faço e falo com a caneta sem tinta escrevo poemas com o estilete na porta do banheiro sujo de merda pública digo bom dia ao porteiro e não recebo resposta alguma pior ainda é ser tratado como um veado dentro de uma condução nojenta felicidade é uma paz cheia de dinheiro é quando riem da minha cara de chupa pau é quando eu leio o jornal sujo de sangue nosso tu conhece a felicidade? mergulho na piscina de três metros e meio e sobrevivo por lá massageio teus pés de otário em cima da mesa enquanto cuspo verbos na tua cara de otário e tu me paga um salário de merda pra comer minha boceta coagulo num porão de rosas mortas achadas no lixo protesto e ocupo e nada acontece parem de gritar parem de gritar seus bando de bestas que isso não tá adiantando
mais.
explodam a cabeça do presidente num longo espaço de tempo amplo nossas cicatrizes como a terra germinam somos a geração mais infeliz que ouvimos falar abraços continuam baratos
estou me repetindo

Pierre Tenório

sexta-feira, 24 de março de 2017

Certo dia
conheci um tal de
Sr. Assis
não tinha nada de Francisco
e vivia correndo riscos
falando pelos tornozelos
achava-se nos próprios medos
além do zelo, desvelo
pelos prédios
e animação

odiava os gatos
e também os sapatos
tentava entender o mundo
mas, era desgarrado
feito um moribundo
não se importava com nada
além de estar além
conversava com animais
no entanto
os únicos que o ouviam

eram os seres humanos
ainda assim, surdos.

Pierre Tenório

quinta-feira, 23 de março de 2017

coloca o Celular
no teu coração
e deixe-o vibrar.

Pierre Tenório
gosto de estar com você
pelo artefato de me desfazer
a existir
ao mesmo entretempo que me consome
numa consoante.

Pierre Tenório
as correntes que me prendem a esfera
que me prende as garras das feras
que me prendem a atmosfera
que me rende.

Pierre Tenório

sexta-feira, 17 de março de 2017

ORVALHOS

qualquer pessoa pode ter
o mesmo perfume
que o seu,

mas, duvido que ela possua
o mesmo cheiro que o meu
nariz inspira pelos cantos

da tua vida.

posso amar qualquer perfume
mesmo que não seja pura
tua essência,

o cheiro do seu corpo
penetrando meu olfato
ainda escorre pelos olhos

da minha vida.

Pierre Tenório

quinta-feira, 16 de março de 2017

primeiramente,

fora aquilo que te escrevo ou escrevi.
que me levou e me levando, o fogo flui;
qualquer coisa não seria necessariamente delicada.
ou dedicada.
uma carta, uma urgência que me fale a memória,
confesso de lábios fechados e molhados pela língua entre os dedos
da ressequidão umedecida pelas páginas calejadas que sem calar, param
para me ouvir dançar.

e eu danço, danço e também me deixo levar um pouquinho
como o galo gala nas manhãs sob a lua.
confesso que esconderia tudo maldito.
dentro do teatro, lá no camarim, por debaixo da
bolsa preta que está em cima da sandália de couro.

e acolheria tuas cartas onde, onde os olhos não alçariam
aterrizar, ou até mesmo entre os membros de um corpo insólito.
no entanto, porém, contudo, decido queimá-las as tuas cartas
em meu ventriloquismo insensato.
e lembrá-lo de uma vez por todas com toda evasão das reticências.

me destroço e me espalho e me esparramo no estardalhaço
das conversas onde calado sobrevoo vestígios
que me levam ao nunca mais me retoque.
engulo copos vazios de ar.
sem pontos

não tentes me

Pierre Tenório



quarta-feira, 15 de março de 2017

escreva o que pensar
como lençol fino pesa
sobre alguém sozinho
ou então jogue pedras
leves sobre as flores.

Jamais seque os olhos;
banhe-se na fonte
dos poemas mortos.

Trafegue entre escolhas
de produzir livros
ou livrar-se das penas;

amo folhas em branco
infinitas escrituras

conjunturas
de céu sem estrelas.

também verdes
e secas
amo árvores
presas
em terrenos
flutuantes;

de tempo passado
ou nascido
em finíssimos galhos.

amo as folhas que fumo
e esqueço

desde quando as leio
até apagar tudo

que escrevo.

Pierre Tenório

sábado, 11 de março de 2017

procuro nas teclas do piano algo além da.
mensuro os maiores medos de nós mesmos e.
levanto a bandeira do sangue, mas,não quero.
as dores do teu braço espero o passo de.

amanhã talvez eu não me renegue, pois jamais qualquer verbo
será em vão, meu amor

tudo isso é uma vingança inconsciente de ti para mim
ou uma onda selvagem de cartas e búzios trocados,
além das vírgulas eu sei que você me ama tanto que isso te
sufoca em minhas transmissões piratas

não me deixe sozinho, pois eu sei que todos
me darão o devido carinho que não.
sei que não

borrachas apagariam
borrachas encandeceriam

onde estarão os teus olhos longínquos


quero comer os teus olhos
e arrancar o teu pênis

e sobre minha barba deixar o sangue
estancar

escuta a música
mas, nada é leve

vele

nosso silêncio

eu não sou ninguém mais
na multidão que nos cala
e e e
nossas palavras são vãs

já pedi para me deixares em guerra
rapaz

as teclas do piano me importunam
no entanto

as amo.
contemplando o escafandro

nada me vislumbra
o abandono.

melhor calar-te
e soltar meu abraço

fico procurando os pontos

tp

sexta-feira, 10 de março de 2017

te cuspirei a boca com a ansiedade de uma lesma
subindo a parede da sala de estar bem consigo
alegre sentada no colo e olhando
o ar entre os dedos dos pés pendurados
em busca de nada mais que plurais
no atormento do pensamento de si
sem se desculpar e desculpando-se pelos
chutes que as tartarugas atormentadas relevam
em fotografias queimadas pela maresia da terra
as pegadas das tartarugas
em busca do mar astral
existe prazer menor do que ser menos
que os outros que
observam as árvores dançar pelas varandas
desvairadas;
e se atentam a cor dos lábios celestes;
é o alvorecer nos despindo de nós mesmos
procurando por nós mesmos em outras palavras
nossas
e tudo mais será nada nosso mais por enquanto
os esquilos correm famintos
estou assombrado pelo verso não absorvido
por mim, estou alumbrado pela minha beleza
em descoberta então fale mais mais mais e então
cale-se e deixe que você mesmo fale por ninguém
exite e não exite
o que eu queria te dizer cabe muito além que as
flores que eu mataria
borboletas dormem no portão
também das carnes que como
e não nego nem me arrependo porque te amo
mesmo sem saber como como isto;
um ser qualquer como não te comeria mais
jamais e até que sinceramente
eu até compraria algumas veias
e versos
pra te ler
além.

Pierre Tenório



quinta-feira, 9 de março de 2017

VENENO

da última vez
que beijei teus olhos
não pude sentir
o gosto salgado
que me adoça os lábios

ao te ouvir chorar
pela última vez

nesses anos todos
morri mais um pouco

por dentro de mim

não me leve a mal
mas, sobrevivi

para te ver cego
procurando medos
em novos castelos
de areia

desculpe-me amor
só peço que passes
pro resto da vida
as noites em claro

encontrando a cura
para as feridas
que nenhuma ausência
ousaria causar

um único aviso:
se mate por quem
me mata de rir.

idiota, eu diria

Pierre Tenório

segunda-feira, 6 de março de 2017

Paixão é o foco;
Amor é dormir
com as luzes apagadas.

Pierre Tenório

sexta-feira, 3 de março de 2017

ESCAFANDRO

Pensar em sempres
sempre me afoga;

Te amo no silêncio das vitórias
como também nos gritos de derrota

Se fico sem a tua companhia
o mar de aquarius é o abrigo

Com você o pequeno é imenso
nas estrelas de vidro que me cercam

Algas de plástico e cometas
imploram-me pra percebê-las

O silêncio de luzes florescentes
simulam o sol quase transparente

Nas ondas de marés não intensas
sou d'água doce como sempre lembras

Sozinho em teu santuário
sou peixe que flutua no aquário.

Pierre Tenório

quinta-feira, 2 de março de 2017

Amiga,

Mais uma vez me perdi do sono após ligar o ar
e ficar esperando o clima esquentar dentro de mim
na lembrança das fotos que tirei e que perdi.
Já é março e daqui a pouco é o seu aniversário
não posso nem comprar nada, mas, sei que és acostumada
a passar esta data, querida, recebendo presentes inúteis
de face a não face, coisas que qualquer sorriso compraria
se existisse.
Finalmente o mar pôde me abraçar e
enquanto passeava pela areia que esfoliava
meus pés grotescos, a maresia corroía os meus cabelos
e a amargura de sentir-se só.
As pessoas riam do meu andar desajeitado, confesso que
senti-me a cada riso, cada vez mais linda e avermelhada
como o arrebol, você precisava ver as marcas das minhas feridas.
Nenhum garoto conseguiu me beijar, perdi a conta de quantos
não distribuí sozinha pelos passeios na pracinha verde,
tenho muitos guardados na bolsa que perdi.
Ouvi muitos discos e uísque enquanto as narrativas abraçavam-me
os ouvidos.
Prestes a lançar o livro estou nervosa e bêbada.
Fui assaltada e estou sem contato físico, preciso pegar umas aulas
para pagar esse meu faz de contas, mandei um currículo em branco
e a meses espero uma ligação que sei que agora não virá.
Tive pesadelos místicos e preciso ficar cada vez mais só.
Olha um fragmento do livro que estou a ler no quarto do hostel
de um casal de amigos, hospedada com a minha graça. rs
Lembrei imediatamente de você;

"De agora em diante eu poderia chamar qualquer coisa
pelo nome que eu inventasse: no quarto seco se podia, pois
qualquer nome serviria, já que nenhum serviria.
Dentro dos sons secos de abóbada tudo podia ser chamado
de qualquer coisa porque qualquer coisa se transmutaria
na mesma mudez vibrante."

Quero que adivinhes de quem é e te mando livro completo,
sei que amarias. Também te envio como brinde um setlist
very special key em um frasquinho de lentes de contato.
Saudade do teu cheiro especial e de quando ficávamos loucas
no quintal da caverna do dragão.
Infelizmente você morreu e perdeu mais um carnaval
com a Rita lee cantando Beatles e agente amando no final
da festa, I wanna hold your hand, bitch, hahaha;
Escrevi um poema embriagado narrando mais ou menos a viagem,
e bebendo um milk shake, mandarei em anexo.
Encerro esta carta ao som de get out of town na voz da Caetana,
quem nem a estraga tanto, mas, sei que você odeia.
Amanhã pegamos estrada e você o quanto tenho medo de percursos,
bobagem, afinal de contas, Deus sempre me perdoa.

Saudades.


anexo em poema:

PERDI TODOS OS MEUS POEMAS
ATÉ OS QUE NÃO ESCREVI
TIVE PESADELOS DE INFÂNCIA
INCLUSIVE A QUE NÃO VIVI

PERDI TODAS AS MINHAS FOTOS
E TAMBÉM OS MEUS AMIGOS
ME PERDI ENTRE O BARULHO
QUE ALGUNS NOMINAM MÚSICA

ME PERDI QUANDO TE PERDI
MAIS UMA VEZ PELOS CAMINHOS
JÁ QUE NÃO ESTAIS NOS SONHOS
VENHA-ME NOS PESADELOS

AINDA BEM QUE AINDA LEMBRO
TEU ENDEREÇO ELETRÔNICO, MÃE

NO ENTANTO, ESTOU AQUI
ME REDESENCONTREI
ENQUANTO ME DISTRAÍ.

tp





eu te amo
enquanto minha glória não for aleluia
também espero que me digas
nãos para sempre e juro que não estarei nem aí pra mim
enquanto canto alguma conversa fora
as mãos
as mães
os nãos
cheios de vazios
que nos completam e confundem por todos os ângulos; formas transparentes
pirâmides
enquadros
molduras de ausencias inflamáveis
que nos matam aos berros diariamente.
peço que suportes meu silêncio quando te agraceço por te amo.
aos gritos
troco discos de trás para frente a espera de um milímetro de obrigado sem certeza.
não me deixe em paz, as pedras que caminhavam pelos jardins se puseram a florir calando o medo de mim mesmo.
não sou grato pelo poema que me inscreveste.
sobrevoo calmamente os escombros de mim mesmo e te contemplo sentado sobre si
na fagulha dos olhares.
confesso: não tenho medo de mim e posso me amar a qualquer momento dentro dos teus precipícios.
me odeie não

Pierre Tenório

sábado, 18 de fevereiro de 2017

NÃO ESPERE QUE EU EXPLODA
POIS NÃO SOU UM HOMEM BOMBA
SE EU NÃO FICAR MILIONÁRIO
PELO MENOS TIRO ONDA
COM A CARA DOS OTÁRIO
O QUE FALO NÃO É LOMBRA
SE ME COLOCAR NO PALCO
SAI DA FRENTE, SE ESCONDA

TÁ PENSANDO QUE EU NÃO PENSO
O QUE É A ESPERANÇA
TU ESPERA QUE ALGUÉM MORRA
PRA PODER FICAR COM HERANÇA

NÃO TÔ NEM AÍ PRA ISSO HOMEM
MESMO QUE EU PASSE FOME

SEMPRE FAREI O QUE GOSTO
EU ESCREVO E TU COME

VAI PRA LONGE

COM ESSE TEU CLIMA PESADO
TU JÁ FOI DESSA QUEBRADA
PEGA TEU MONNEY E SOME

É ASSIM QUE EU NÃO PRESTO
POSSO FICAR COM O RESTO

MAS O QUE NÃO FALTA NÊGO
É A PALAVRA PRO VERSO

SABE ONDE QUERO CHEGAR?
PERTO DOS PÉS DE UM ALTAR
PEGAR O BUQUÊ DE FLÔ
E IR PRO MATO PLANTAR

OLHAR NO CÉU MULTICORES
ME DESPERSONIFICAR

SEGURA AQUI MEU DIÁRIO
E VÊ SE APRENDE A LER OTÁRIO

Pierre Tenório

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

me senti um ser humano preso numa roda de conversa
onde meus ouvidos pediam para descansar, mas, a senhorita
não parava de discutir ininterruptamente com o indivíduo a sua frente,
ele estava indelicadamente vestido de mulher, ''catraia'',
no melhor jeito machista de falar, alegava não ser machista.

ela estava devidamente organizada com um terno branco,
barba de lápis de olho, chapéu, um relógio dourado que provavelmente
seria do avô falecido.

-que horas são, moça? (perguntei-lhe tentando fazer com que eles
esquecessem do que estavam falando. inutilmente.)

-tá parado. (respondeu-me olhando para o braço e coçando os ovos)

ela o agrediu minutos antes de saírem em seus respectivos blocos
de carnaval; ela não permitira que ele saísse em um bloco cujo nome
depreciava o ser feminino.
ele a chamou de puta.

os dois são casados a 13 anos e se conheceram na adolescência,
mas, alegavam não se conhecerem nada a cada dia.
ela chorava de ódio.
ele é a favor do governo temer.
ela o agride por isso.


Quando o delegado chegou, me liberou pelo roubo do chapéu verde que
afirmei ter esquecido de pagar e pedi desculpas e assinei um papel.
parece que terei que limpar os banheiros de uma escola durante seis meses.

no caminho de casa no meio do furdunço, encontro os dois blocos
bêbados de mãos dadas levantadas ao alto quase zombando dos policiais
que os prenderam minutos atrás.
o som da orquestra de frevo e dos batuques de maracatu
quase ofuscava o de suas vocês que gritavam e
cantavam e gritavam freneticamente felizes

-MACHISTAS FEMINISTAS, NÃO PASSARÃO!
-FEMINISTAS MACHISTAS, NÃO PASSARÃO!

não sou rockeiro, mas, carnaval me dá medo. rs

Pierre Tenório



roubei o chapéu verde da loja de brinquedos
comprei uma briga com o vendedor
que me fez passar vergonha ao correr atrás de mim
ele não percebeu que roubei o chapéu verde
correu atrás de mim
para devolver o caderno de poemas que caiu da minha bolsa
nem tive tempo de piscar os olhos para agradecer
não comprei nada finalmente;
ele deve gostar de coisas verdes.
grilos
o chapéu tem formato de grilo,
eu coloquei na cabeça e enquanto
futucava a bolsa para tirar a
câmera para tirar uma foto o caderno
caiu sem que eu me desse conta
que esse faz de conta não tem preço algum.
o vendedor tirou a foto
eu não pretendia tirar o chapéu
ele foi o único que não me viu sair.
me senti invisível nesse clima carnavalesco

Pierre Tenório

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

meus dedos tocam o infinito enquanto abro a janela do quarto
não queria me desprender do cheiro que há nas mãos
com vista para nada, me deparo com o nada que há na janela
e os meus olhos se fecham, onde estão as cortinas?
a chuva que não, o vento que não vai, o cheiro que não,
ainda estou acordado
cheio de perguntas e não sei sequer escolher um tema.
minha foto favorita está rasgada e eu só te peço para
que voltes, ao menos por dez minutos, ou quatro,
as lembranças me remetem ao quarto
quando vinhas doce e de quatro e ias embora
acho melhor ires embora mesmo, (pro outro quarto)
levando o vento que o tempo em vão, claro que não
sem que eu quisesse deixar, (mastiga um chiclete)
minhas horas favoritas são quando estou despretensioso
quando isso ocorre as águas discorrem sobre tudo além mais
as telas conspiram e as tintas desviam meu medo de tudo
não quero ler o meu nome, nem gosto de ver minha imagem
não que sinta vergonha de mim, mas, é exatamente isso,
creio as palavras não podem ser solfejadas em outro tom que não
seja o presente desembrulhado
meus joelhos se contraem repetidamente em um ritmo dissonante
não seja meu amante.

Pierre Tenório



a lixeira está derramada à sua espera
os lixos já foram jogados dentro de nós
então peço que te acalmes, menina
nada que não seja belo, ficamos por conta das causas
os copos também estão vazios à sua espera
danço como bailarina na caixinha de música e por
vezes me sinto louca, mística
à sua espera
sempre me deixando levar pelo som
a música que paira, você não me para nem pra dizer oi
enquanto mexo meu corpo de vontades
mesmo enquanto silêncio sobrevoa
as pessoas falam e eu não retorno a ligação, não é minha culpa
estúpida
não existe culpa, quando o crime é aprazível
eis que as mãos estão vazias
mato os poemas nas mãos enquanto os fatos
não passam de fotos na manhã plena
à sua espera
me desgasto e sobrevivo
não há nada que não nos haja
então mire.......... enquanto espera.

Pierre Tenório

sábado, 11 de fevereiro de 2017

tudo me cega sem que eu tenha que ter cuidado com os cacos dos litros
as vidraças já não são paisagens, os vizinhos apenas a miragem dos vidros
os retroprojetores já não inalam o que os pulmões gritam sobre meu ego inflamado
estouro os balões da festa, enquanto as ninfas dispersas estouram os mesmos balões
o piano alcança inesperadamente o meu tom, improviso uma conversa despretensiosa
meus ouvidos mais estão atentos a desgraça do que aos semitons de qualquer graça
fujo e volto na mesma hora para que você me sirva um café
sirva me algo, não suporto mais a inercia do acalanto não atento
chora um pouco em cima do esmartifone
sorria para mim então, contarei os dentes e direi que te falta algo
que a compreensão não te permite
por mais que interrogações me interroguem o medo do juízo é mais forte que as amarras do sucesso
a fama e glória me sufocam a ansiedade de não tê-las
devolva os dez centavos que te dou algum agrado da sobra que nunca inalei
grilos cantam na paisagem, e se você lê que me leia no verso das páginas das
calçadas, as palavras me cansam os artigos inúmeros também, e é nas entrelinhas que me engano
totalmente, me envolvem as entrelinhas que me,
sem que tenha braço, sem nada por nada que afaga, onde está a fada do dente
onde estará o duende que dormiu comigo na noite passada e fugiu do medo
de sorrir comigo,
entreaberta janela fechada e sem ferrolhos, desculpa.
não ousar de tantas palavras, apenas que me entendas deveras
por favor, não me entenda.
as lágrimas já estão petrificadas neste nordeste.
um norte
eu poderia ser a qualquer pessoa
que amarias no mesmo vento.

pierre tenório

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Oi,

abraço não se devolve, besta
cartas sim.
devolva também o cd que você pegou emprestado e eu sei que perdeu,
eva nunca vai me perdoar por isso, maurício beijou outro cara no fim de semana
e o namorado dele finalmente com ciúmes, ligou pra mim 13:00 da tarde
dizendo que a ressaca o traz de volta.
ele estava ouvindo justamente um cd igual ao meu
haha achei engraçado ouvir joplin de ressaca
não entendo os ciúmes depois de tanto tempo
acho ciúmes engraçado, talvez belo, ciúmes tem cheiro do amor de deus por nós
por isso deve ser que ele mata todo mundo, não tenho ciúmes dos deuses.
nem dos amigos, desde que foste nunca mais senti nada.
e me questiono e escrevo.
tem uma árvore que dança pra mim toda noite enquanto me bronzeio
a luz da lua e da brisa quente na varanda.
as vezes cerveja, as vezes café, ontem foi vinho.
aí tá quente ou frio? como são as flores? a vegetação, as chuvas.
aqui tá uma guerra, tudo desgovernado, o país inteiro; tô pensando em fugir.
gostei muito das fotos que você mandou na ultima correspondência, vê se treme menos.
me fala sobre a exposição
o que a crítica falou de menos? kk adoro as narrativas
grava a fita do brotolândia pra mim, também a bossa do caetano
gosto daquele jeito k7 que você me olha
eu sempre fico de aparecer né, mas, sinto meus pés fincados aqui
presa em um pentagrama cheio de notas baixas,
também das últimas vezes que me escreveste senti
uma aversãozinha da sua parte, tá me escondendo algo?
ou tá com medo de mim?
não esqueça que sou uma bruxa das palavras
e consigo ver teus olhos de longe;
pensando bem, acho melhor demorar mais um pouco,
preciso cuidar das crianças, depois saio por aí,
talvez apareça... talvez não.
abraço se envolve, como a pista sente os pneus em pleno meio dia
e os ares as asas dos pássaros, o tempo sente falta de um abraço
e o corpo de mais um aniversário.
abraço se envolve como o silêncio dos quilômetros.
como me envolvo com você.
me diz como foi o carnaval, com detalhes poéticos, por favor.
prometo usar a máscara que você deixou


beijos,

Pierre Tenório

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

me ame
como as sombras são
feito assombração

passam por lá, longe

torture
como tartaruga
beija bem na nuca

devagar se move

afaga
puxando os cabelos
arrancando o dedos

rodeando as sagas.

dos versos perdidos
dos copos partidos

corações inteiros
pulsam

procurando tempo
pra viver em paz

sempre e nunca mais.

curta minha foto
que te dou um voto

de castidade
veja nossa idade

já passou o tempo
em que nos prendíamos

a ter liberdade.

fechem os portões.

e gozem-nos nas mãos

Pierre Tenório









quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Veias alheias

peito sobre peito
na tentativa
de sincronia

olho sobre olho
no palpitar
das pálpebras
frias

sangue de pedra
percorrendo fio
a fio de cada cabelo

corpos gelados
de mãos dadas
sobre a cama
vermelha

e nada sobre mim

quem foi o vírus
que te enforcou
com minhas teias?

Pierre Tenório


sábado, 28 de janeiro de 2017

quando os pais viajam para longe
os filhos dormem pela casa

nuvens de poeira vagam ao telhado
quadros pincelados redecoram tempos

e além disso os porta retratos
lençóis para sempre desforrados

o eco que reverberando os olhos
varre o chão pra poder andar descalço

um passarinho assombra as noites na marquise
e a janela guarda o calor do meu corpo

o café quente não estará pronto
nas manhãs o barulho soa morto

precisei vender as alianças.

Pierre Tenório




domingo, 22 de janeiro de 2017

esqueço as palavras ou tento e
fico lembrando sorriso e pele
das pinturas quebradas que remetem
o sonho do espreguiçar

juro estranhamente não nos matarem
nos dias de anteontem então

as pessoas não entendem que somos apenas menininhas
e eles querem meter em nós, só um sorrisinho modernista
arranhado na gargante

um sorrisinho
e algum deslize
sem graça, tia

tiaaaa, roubaram as minhas roupas
hahaha e não quero mais me vestir

os poemas não são meus sonhos
(nem os teus)
e as palavras não tão reais
(e agora?)
quanto as músicas que julgo e como
tanto as letras que jogo fora

e mais

penso que as espadas podem nos ferir
mas, meu amor, sempre haverá alguém
para desmentir

e meu sangue se tornará bruto, seu idiota

minto que todas elas
elas as palavras seriam
tão quais vãs lençóis

que te cobrem todas as noites

e toda essa bosta é pra ter rima
e não
e repasso horas programando coisas

tão importantes como quase nunca
mais não.

eu te amo

vai tomar no cu, não lembro mais
dos teus beijos e de todas
as provas que a média, mídia, mesmo a moda
me desconsolidaram

não avancei na escola que andei
meramente merdas, me ensinaram algo
ao passar das horas,comeram e vomitaram
tudo em versos de repúdio

me exilaram pra dentro de mim mesmo, mãe

vou receber um diploma de merda
que me julgará uma merda
e aí? tu és um bom músico?

(enquanto escrevo isso pra ti me sinto uma droga penada
escolhendo as palavras certas pra não te desagradar

tirei todos os retratos do caderno;
não; da agenda
não;
e os versinhos também
dos recreios e pra quê tantos.
também as fotos)

geralmente não tenho escrito pra nada,
e as árvores tem saído dos caminhos
só queria que você me entendesse um pouco e não)

não quero fechar os parenteses)

(sim)
também me sinto lindo
e isso não é uma carta de amor

quero me vocês me ouçam, sem aplausos que mentira.

vejo o dia raiar e mais uma vez na vida penso quantas noites
tu passas acordado pensando em tantas coisas mais importantes do
que seria mais importante pensar em tudo isso que

e mais uma vez me pego e me agarro e me dobro
e papel

pedi pro meu amigo puxar uma carta
e ele me negou
daí eu fiquei em mim mesmo e
em alguém mais

me importo com os sonhos e os vivo.
sonhos que meus olhos não vivem ao mesmo tempo
e em mim em mim, minhas letras cansaram de amar.
não quero saber de escrever
sobre nada que o nada me faça
te ler, teu amor) juro fazer outras coisas e não.
abro parênteses fechados, quando abro de novo
os fecho e

vou comer algo e cantar algo.
me solta um poema





Pierre Tenório

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

TUDO É MAR

que tem lixo
que tubarões
keting.

Pierre Tenório
Querido,

decidi te escrever depois que vi um filme pornô ontem
a noite cujo ator principal parecia muitíssimo você.
não sei bem o sentido disso, mas, como você tá, eim?
desculpa não responder suas últimas cartas
faz tempão que não nos vimos né, nem falamos,
ando com tanta coisa pra fazer
uns trabalhos pra concluir, não significa que não sinta saudade
sempre lembro de ti, as vezes talvez
as vezes eu como pastel com caldo de cana lá na senhora
só que agora aumentou um real
insignificante diante da realidade com você distante
tu sempre gosta de comer dois, aí vende caldo de cana com pastel?
revelei aquelas fotos do dia que fomos reais
irreais, sei lá. acho que você sabe qual é, mais fácil não lembrar
os quadros estão devidamente nas paredes da casa inteira
sempre que posso os mudo de lugar para que eles possam respirar
outros ares.
estou pensando em viajar, talvez possa te visitar qualquer dia
ou vice versa versos
queria ser a primeira a ler os teus versos como sempre novamente
pensei que era a primeira a lê-los, só que era você mesmo
manda um poema qualquer dia, acho melhor do que ler teus problemas
com Virginia. (manda em anexo, rs)
sinto saudade da tua risada quando raramente acontece e é de mim,
seu idiota.
quando meu cachê enrolado entrar na conta
envio os objetos que ficaram aqui, pensei em ficar com eles
mas... mais ainda com você, então se foda comigo, haha
tomara que eles quebrem na viagem, qualquer coisa no inverno
chego de supetão
pra aprender a sentir mais saudade de você.
e esqueça o Gullar que ficou na escrivaninha


beijo.

Pierre Tenório

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

monóstico paradoxal:

A capital dos sentimentos é o interior.

Pierre Tenório

domingo, 15 de janeiro de 2017

BIFE ACEBOLADO

não quero piscina
não quero praia
não quero foto
não quero água
não quero nadar

hoje não vou te ver
nem falo nada
nem me acordo
nem durmo tanto
nem fumo conha

também não interessa
o que tu fazes
nem comes
quem amas
quem fodes
o que dás

não faço
questão alguma
que pagues nada
que vendas tudo
que jogues fora
que vás embora

quero que fiques
só mais um pouco
e me prepare
um bife acebolado
depois me beije
e me observe comer

enquanto se maquia
na frente do espelho
e se pergunta:



Pierre Tenório





é mais fácil sentir que alguém não te quer perto
do que aceitar convites


as energias são reais, bobo

melhor acreditar nas estrelas
do que em coração poeta
e tudo isso no fundo importa mesmo

quando você olha pro mapa
e viaja.
ontem sonhei

que estava vivendo
no fundo de um mar

com estrelas caídas
carentes de luz.

pisando nas mesmas
palavras

Pierre Tenório

sábado, 14 de janeiro de 2017

senta e folheia esse livro aqui
eu mesmo fiz

é
de um amigo meu

talvez você o conheça
um dia quando a gente

sair de casa.

compra minha ópera
descarte o meu nome

toma um flor, segura
espera ela murchar

pra depois ir
a conhecer-se.

Pierre Tenório

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

MÃE SOLTEIRA

me arrebato
quando encontro
um pensamento

e escrevo
o poema
com qual transo

e engravido
só orgasmo
quando o verbo

faz da foda
mais um canto
e crio os netos.

Pierre Tenório

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

POEMA DESENDEREÇADO

me permita mesmo
com todas as falhas
de percurso e falta
de dinheiro

pensar em ti do mesmo
formato cor e cheiro
que olho e te leio
e te escuto
e te vejo
tão distante
dos meus dedos.

me permita que eu olhe para cima
e te veja no azul ou no céu cinza
que nos banha onde quer que estejamos

me permita que eu duvide que te amo
pois se esta é minha falha de percurso

que duvide todo dia na incerteza
de fazer todo dia a mesma escolha

te amar como escrevo nesta folha
e amanhã quando acordar esquecido

te amarei mais ainda do que nunca
em um rosto de algum desconhecido

se permita.

Pierre Tenório

já passou da hora de não nos vermos mais
esse teu amor livre me ameaça amedronta amadoramente complica e consome
o esquecimento que a mim consola toda vez que me esqueço
de mentir amor
tu voltas fantasmagórico assolando meu desprezo teu
tuas digitais sujas de merda
minha varinha de condão enfeitiçando teu rabo de cadela
quando tu viças perdido eu te busco na janela aberta do chrome
e travada engulo letra por verso de música lixo
mastigo teu lixo meu castigo
me liberto me divirto enquanto brinco
e me decoro e me recordo
e me isolo
livre do teu amor
livre
me converto ao teu medo
me perverto
relaxa que dois mil e dezesseis não acabou
meu amor
meu temor

Pierre Tenório