quinta-feira, 21 de junho de 2018

nunca decorei as fases
da lua
apelei por lantejoulas
sobre minha face
imprópria e nua
o sorriso crescente
do passado
minguante às retinas
novamente
tudo que esteve no que vi
renasce no que permanece em mim.

Pierre Tenório

sábado, 16 de junho de 2018

o coração parou
para ouvir melhor
os passos de alguém

indo embora


deixando o barulho
ensurdecedor
de poemas mudos

pulsando
amor.

(Pierre Tenório)









quinta-feira, 14 de junho de 2018

Me arrasto pela página
o verbo to be agarra-se ao pé
das cadeiras
Os banhos clamam que a pele
se aproxime
cada corpo em cada gota
do chuveiro
uma por uma
e todas de idêntico toque
Esvazio-me de espelho
e os espelhos me devoram
por trás
Levando embora
o isqueiro

Pierre Tenório

sábado, 9 de junho de 2018

tu podes
embora meu corpo te
clame tua presença
e nem Jesus és tu
distante, marcado por
um parágrafo de facebook
ou sob uma história qualquer

foi ele teu corpo
que me matou
mais uma vez
destroço com
pesadelos de tudo
um pouco e milagres

eu não te amo
e te quero mais
por onde estou perdida
entre notas
musicais onde
estou?

sábado, 2 de junho de 2018

estou sangrando, mãe
sinto teu espírito sangrar também
desde quando morri ao sair das tuas
pernas fechadas para mim;

acontece que quando foste
condenei-me a ir-se de todos
ao redor de todos
a chuva pairou sobre mim;

não há desertos por aqui
a primeira gota de lágrima
derramou-se junto a espera
lânguida de tua não volta para mim;

ontem encontrei meu primeiro amor
e novamente ele se foi
perdidamente como me irei
a procura de mim.

Pierre Tenório



sexta-feira, 1 de junho de 2018

pensei que fosse adulto
aceitar idas embora

penso que seja humano
amar todo mundo afora.

(Pierre Tenório)

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Suportaria
a leveza
e o asco
de todo teu
peso de pena
e laço

Você
segurando
os lemas
poemas
do nosso
acaso

Pierre Tenório