quinta-feira, 24 de maio de 2018

Cristina pensou
que todo mundo que encontrava
era o amor da sua vida

dispensou
todos os homens e mulheres
que atravessaram seu caminho

deixou todos eles
chuparem o seu pau

Rômulo queimou seu bigode com o isqueiro
quando acendeu o ultimo cigarro
do universo entre

a mão e a boca

os dois tem tudo em comum:
a displicência nos olhos
a falta de grana

o amor
e o excesso de amor

a falta que um faz
e a falta que o outro não faz

estarem vivos
estarem mortos.

A única coisa que os diferencia
e distancia

é que um usa telefone
e a outra não.

Pierre Tenório


sábado, 12 de maio de 2018

meu amor
por ti
é

meu, amor
e eu te dou
todos os dias

mesmo sem
te conhecer
e nem precisa

o que tenho
pra ganhar
ninguém avisa

te perder
sem ter que ter
me realiza

Pierre Tenório

segunda-feira, 7 de maio de 2018



não desenhei os poemas
que perseguem meu passo
a passo
guardei guardanapos
sujos de esboços
declarações finas
em borras de café
me mantiveram acordado
a realidade mais uma vez
não bate na minha face
nenhuma resposta
nenhuma pergunta
uma frase que diz
outra
outro dia
que se volta
a flor
o raio de luz
e nego-me
noite branda
escrever detalhes à lua.

Pierre Tenório





terça-feira, 1 de maio de 2018

lógica
de origami
esquema
ponta a ponta
do papel
nos lábios
dígitos
poucas dobras
e o cheiro
de crime
na folha

telas
sobre telas
apagam tintas
disparam
levas
de paisagens
ante
olhos
sangue
verso
adentro

Pierre Tenório

sábado, 28 de abril de 2018

dessa vez fui hospedado num hotel de quarto vago
letras nas paredes esboçavam algodão doce
camas, eram três camas com lençóis esfarrapados
eu pisei o chão do espaço sem querer deixar pedaços

tive que ficar ali por mais de uma semana
nem para o papel me entreguei para um papel

a escrivaninha se compôs ajoelhada
ao pé da chama minhas pernas deslizaram
e pelo teto estrelado em formato de balão o chiclete explodiu dentro do bolso do short

procurei a janela de saída

me perdi nos corredores de um bosque
onde as árvores despidas clamam máscaras

esqueci o nome no caderno
costurei minha boca com as linhas
na promessa de gritar rasgando os lábios

e entre as curvas dos planetas
fluir feito gametas

sangram.

Pierre Tenório





terça-feira, 17 de abril de 2018

péssima atriz

sonhei que o caminhão do faustão
estacionou na minha horta e passou por cima
de alguns ramos recém plantados;

a casa própria ficou parada em frente
da casa onde moro
e eu mandei-os embora

guardei a foto da porta
e fechei os poros da face

fiz uma careta na frente do espelho
e todo mundo me entendeu

finalmente choquei os ovos
e daqui a pouco beberei sangue
colherei as frutas verdes

para saciar a fome
dos poetas
sem fome

e a sede
dos poetas
sem nome

à zelar
assinar;

o olhar é uma ferramenta
que nos persegue
e difere.

mudo de ideia



Pierre Tenório




quinta-feira, 12 de abril de 2018

tp

tapa tipo
topa tapo
tupa tupi
tepi tipe
topi

tenorio pierre
trabalhador partido
trova poema
trava problema